Emissão e ajuste de cotas – o que você precisa saber

As emissões não param de acontecer. A verdade é que está faltando dinheiro para tanto fundo emitindo cotas.

A grande verdade é que, tendo em vista o tamanho de nosso mercado, não pode um fundo crescer sem emitir novas cotas. Como de costume, os atuais investidores do fundo são agraciados, podendo aumentar sua posição, caso queira, a preços convidativos, na maioria das vezes.

Vários são os eventos originados por uma emissão, dentre eles, podemos citar a flipagem, a arbitragem e o ajuste.  

Mas, hoje, estamos aqui para falar do AJUSTE!!!

No dia 04 de março eu fiz uma postagem no meu instagram afirmando, que no dia seguinte, devido ao ajuste, as cotas do fundo IRDM11, na abertura do pregão, estariam no valor de R$140,26.

Não devia ter feito essa postagem de tanta pedrada que eu acabei tomando. No direct, me acusaram até mesmo de utilizar bola de cristal e aplicar futurologia. 

Não! Isso não é mágica, é matemática!

Vamos explicar o que vem a ser o ajuste para, depois, explicar os cálculos a serem realizados. 

Começamos pensando no fundo imobiliário antes da emissão. E como eu usei a bola de cristal para IRDM11, o utilizarei como exemplo. 

Antes de sua emissão, o fundo tinha um patrimônio líquido aproximado de R$1,5 bilhão, com 16 milhões de cotas sendo negociadas no mercado secundário. 

Visando o crescimento do fundo, foi lançada a sua 9ª emissão, com data base em 04.03.2021. O fundo pretende aumentar 31,25% o seu tamanho e, os atuais cotistas, teriam o direito de adquirir essas novas cotas por R$102,69.

Todos os dados apresentados acima são importantes para calcularmos o ajuste de cotas. Guarde-os aí. 

O investidor que “dormiu” com as cotas do dia 04 para o dia 05 de março ganhou o direito de participar da 9ª emissão. O investidor que comprar as cotas no dia 05 de março, não terá o direito de participar deste crescimento do fundo. 

Desta forma, a própria B3 promove o ajuste das cotas, gerando uma igualdade entre os investidores. 

Para realizarmos o cálculo, precisamos conhecer três fatores: o valor de fechamento do mercado secundário no “dia com”, o valor das cotas da nova emissão e a proporção de crescimento da nova emissão. 

No caso de IRDM11 temos:

  • valor de fechamento no dia 04/03/2021: R$152,00;
  • valor das cotas na nova emissão: R$102,69;
  • proporção de crescimento: 31,25%.

E o cálculo que devemos fazer? Se liga na fórmula que é simples.

No exemplo de nosso artigo, Iridium e sua nona emissão, temos os seguintes números apresentados na fórmula. 

Se ligou?! Agora você também pode praticar a futurologia com a sua bola de cristal matemática nas próximas emissões e, quem sabe, desenvolver uma estratégia de investimento com base nesses números. 

Deixe uma resposta